Instalação de bomba melhora abastecimento de água na comunidade de Gangorra

Instalação de bomba melhora abastecimento de água  na comunidade de Gangorra


Cerca de 60 famílias da comunidade de Gangorra, no Alto Salitre, voltaram a receber água em suas casas, depois que o Serviço de Água e Saneamento Ambiental – SAAE/Juazeiro instalou uma nova bomba submersa no poço existente na localidade. 

A substituição da bomba, segundo Vandeci Carlos Azevedo (Pereira) coordenador da área foi necessária, pois a anterior não suportava a vazão da água e, constantemente era danificada. “Além de colocarmos uma bomba mais potente trocamos também a tubulação de ferro por cano PVC melhorando todo o sistema. São dois quilômetros de rede e dois reservatórios de 10 mil litros cada, água suficiente para saciar a sede dos animais e para as tarefas domésticas. É preciso, no entanto que seja usada de forma racional para suprir a necessidade de todos”, alerta Pereira.

Gracileide Araújo da Conceição opera o sistema de abastecimento de água da Gangorra há 14 anos. Ela atesta que nunca a comunidade foi tão bem assistida como agora. “Antigamente queimava uma bomba ou quebrava um cano a gente ficava aqui sem assistência. Hoje a situação é outra, o sistema funciona plenamente e temos toda a assistência”. 

Da sabedoria dos seus 80 anos de vida, seu Martinho Romualdo da Silva sabe bem a importância da água. Ele que teve a felicidade de usufruir do potencial do Rio Salitre, no tempo que era caudaloso, hoje valoriza cada gota de água que chega à sua casa. “Só sabe o valor da água quem precisa dela e não tem. Eu que já plantei, nadei, pesquei e me diverti nas águas do nosso rio, sei o quanto é importante economizar para ter sempre. Sabemos que hoje a água é limitada, mas se usarmos com responsabilidade teremos sempre. A Gangorra é uma das comunidades mais bem servida. Temos este poço, uma operadora eficiente e uma equipe do SAAE que nos dá a devida assistência.  A água é vida, sem ela nada sobrevive”, afirma seu Martinho.

A dona de casa Rute Bonfim Souza, garante que não precisa mais andar no sol quente carregando água para os afazeres da casa. “Hoje abro a torneira e a água jorra na pia, no banheiro e no quintal. Tivemos que usar água da cisterna para matar a sede dos nossos bichos. Hoje graças a Deus o bebedouro está sempre cheio e a água voltou a chegar em nossas casas”, pontuou.

Serviços